terça-feira, 31 de agosto de 2010

A história de Ninród

A idéia de se criar o que chamam hoje de uma Nova Ordem Mundial não é novidade pois surgiu há muito tempo desde os tempos do pós dilúviu.
Para entendermos melhor essa história é necessário recapitularmos um pouco.Quando Noé entrou na Arca que havia construido para sobreviver ao dilúviu que a Terra sofreu ele levou consigo além dos casais de animais, a sua família que consistia em sua mulher, seus filhos: Sem, Cam e Jafé e as esposas de seus filhos.Aconteceu que ao final da grande tormenta, Noé e sua família sairam da Arca e decidiram se dividir para escolher quais terras gostariam de se apossar.
Tempos depois, dos decendentes de Noé se destacou um homem chamado Ninród, neto de Cam que era seu filho.
Ninród(significa aquele que se rebela), ao contrário de seus ancestrais era um homem muito perverso e ganancioso e ficou conhecido em sua época como o grande caçador de homens diante de Deus.Graças a sua ousadia e intrepidez conquistou o título de rei sobres as terras da Mesopotâmia,(entre rios - porque se localizava entre os rios Tigre e Eufrates).
O neto de Cam tinha em sua mente uma revolta muito grande contra Deus e por isso deu início a uma grande rebelião ordenando a construção do que se chamou a Torre de Babel, para que se construisse uma cidade em volta da torre e assim criar um governo mundial único em suas mãos e totalmente independente do Deus de seus ancestrais mas sim unicamente dependente das forças das mãos dos homens.Foi este homem que deu origem ao sistema político- econômico - religioso ao quais os moldes são seguidos até os dias de hoje.
Ninród era tão blasfêmo que chegou ao ponto de casar - se com sua própria mãe Semíramis, após a morte de seu pai.Porém, aconteceu que seu tio- avô indiguinado com sua revolta contra Javé acabou por assassiná - lo.
Então Semíramis sua mãe - esposa decidiu dar o título de Deus a Ninród e também a si, se auto - entitulando Rainha dos Céus.Semíramis passou então a ser adorada pelos povos da Mesopotâmia,( onde hoje é o Iraque), e logo criou uma religião onde ela tinha como servos as suas virgens e seus sacerdotes que não podiam se casar.
Aconteceu que Semíramis se envolveu sexualmente com um de seus sacerdótes e se achou grávida, para esconder sua falha disse que o filho era de Ninród que havia feito - lhe uma visita em espírito ao anoitecer e que a criança seria a reêncarnação de seu falecido esposo.
Semíramis deu o nome ao menino de Tamus, nascido em 25 de dezembro data de um fenômeno solar e por isso foi chamado de a criança solar ou o filho do Deus Sol.Nasceu assim a primeira religião contrária a vontade de Jeová e criou - se também a primeira trindade pagã.
Essas coisas aconteceram durante a construção da Torre de Babel e não demorou até que o Deus de Israel confundisse a língua dos povos, fazendo assim que se espalhassem sobre a superfície da Terra e desistissem da idéia de unificação e revolta contra o Todo Poderoso.
A rainha Semíramis continuou por ali e fundou a grande cidade de Babilônia.Sua decendência, porém, não desistiu da idéia de unificar o mundo debaixo de um único poder, aquele povo cresceu e se espalhou pelo mundo difundindo a sua religião que é a crença da maioria das nações mudando apenas o nome de suas divindades da trindade pagã.

Como por exemplo:

ÍNDIA - BRAHMA, VISHNU e SHIVA.
EGITO - OSÍRIS, ÍSIS e HÓRUS.
CHINA - BRAHMA, SHIVA e BUDA.
PÉRSIA - OZMUD, ARIHMAN e MITRA.
GERMÂNIA - VOTAM, FRIGA e DINAR.
GRÉCIA - ZEUS, DEMÉTER e DIONISIUS.
CANAAM - BAAL, ASTARTÈ e ADONIS.
UMBANDA - IAMBY (ZAMBY), YEMANJÁ e ORIXALÁ (ou OXALÁ).
BABILÔNIA - EA, ISTAR e TAMUZ.
CELTAS -VOLTAN, FRIGA e DINAS.

Tais trindades também influênciaram no cristianismo desde que este se uniu ao Império Romano através do Imperador Constantino.


                                                                          Jorge Azevedo Oliveira


Segundo a Wikipédia:


Semíramis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

(Redirecionado de Semiramis)

Semíramis foi uma bela rainha mitológica que segundo as lendas gregas e lendas persas reinou sobre a Pérsia, Assíria, Armênia, Arábia, Egito e toda a Ásia, durante mais de 42 anos, foi fundadora da Babilônia e de seus jardins suspensos. Subiu ao céu transformada em pomba, após entregar a coroa ao seu filho, Tamuz.

[editar] História

Entre as muitas lendas que a rodeiam uma afirma que foi filha de uma sacerdotisa que a abandonou à morte no deserto. Pombas a encontraram-na e a alimentaram até que um pastor de nome Simas a encontrou. Também pode ser identificada com Shammuramat, rainha da Assíria e que foi esposa de Shamshi-Adad V e mãe de Adad-nirari III. A história de Semíramis foi tema de uma ópera de Gioacchino Rossini, e o escritor espanhol Alejandro Núñez Alonso fez uma série de novelas históricas em torno desta fascinante personagem.
De acordo com estudiosos teológicos, Semíramis fora esposa de Ninrode, um dos primeiros homens mais poderosos do mundo (Gênesis 10:8-12), que inaugurou a cidade bíblica de Babel. Segundo a tradição, Ninrode desejava reunir toda a humanidade em torno de si e construir uma torre que chegasse aos céus, com o argumento de ninguém ser tragado por um dilúvio novamente, manterem-se unidos e serem conhecidos por gerações (Gênesis 11:4). Com a grande estatura da torre, Ninrode tornou-se conhecido como "príncipe dos céus". Sobre este homem, Flavio Josefo escreveu: "Pouco a pouco, transformou o estado de coisas numa tirania, sustentando que a única maneira de afastar os homens do temor a Deus era fazê-los continuamente dependentes do seu próprio poder. Ele ameaçou vingar-se de Deus, se Este quisesse novamente inundar a terra; porque construiria uma torre mais alta do que poderia ser atingida pela água e vingaria a destruição dos seus antepassados. O povo estava ansioso de seguir este conselho, achando ser escravidão submeter-se a Deus; de modo que empreenderam construir a torre [...] e ela subiu com rapidez além de todas as expectativas." — Jewish Antiquities (Antiguidades Judaicas), I, 114, 115 (iv, 2, 3). Já Semíramis ficou conhecida como "rainha dos céus", nome de uma divindade idolatrada no Oriente Médio durante a Idade Antiga.

A Nossa Senhora de Roma…é simplesmente a Nossa Senhora da Babilônia

Maria, a mãe de JESUS, foi uma santa mulher. Humilde, fiel a DEUS, pelo ESPÍRITO SANTO tornou-se a mãe de JESUS. Desde o século V a veneração de Maria vem sendo exaltada pela Igreja Católica, e hoje ela é adorada até mais que JESUS. Seu título é Rainha dos Céus ou Rainha do Universo. Mas essa história começa bem antes da nossa era, vem da antiga Babilônia fundada por Ninrod.
Maria Catolicismo = Maria Babilônia
Semiramis, rainha da antiga Babilônia e outros reinos, casou-se com Ninrod, que algumas fontes afirmam ser também seu filho. Ela engravidou teve um filho que chamou Tamuz, que nasceu depois de Ninrod ter morrido. Ela decidiu manter o poder de Ninrod, poderoso caçador, que se fez o primeiro imperador após o dilúvio. Para esse fim ifundiu que Ninrod se tornou o deus sol, pois era por todos considerado caçador, rei e portanto um grande herói. Inventou a estória de que a morte de Ninrod ocorreu para a salvação da humanidade, e que ele retornaria na forma de uma criança e salvador. Essa criança seria a semente da mulher destinada a esmagar a cabeça da serpente. É de se lembrar que, desde a entrada do pecado no mundo, esperavam o nascimento do Salvador prometido ao primeiro casal.
Quando nasceu o filho dela com Ninrod, ela lhe deu o nome de Tamuz, que foi deificado como salvador da humanidade. Mas com o tempo, a mãe de Tamuz foi ainda mais venerada, pois o milagre da reencarnação do poderoso Ninrod foi a ela atribuído. Ela ao que parece era vista como virgem sendo “o nascimento do filho foi declarado miraculoso e, portanto, a mãe foi chamada de Virgem Mãe” recebendo entre outros, o título de Rainha dos Céus. Tamuz foi apresentado a todos como a reencarnação de Ninrod.
A veneração a Semiramis e Tamuz se espalhou para diversos países do mundo da época, tendo-se as famílias espalhado pela confusão das línguas. Em muitos lugares do mundo os povos adoravam uma mãe com seu filho nos braços, bem antes do nascimento de JESUS. Os nomes da mãe e de seu filho mudavam de acordo com as línguas surgidas naqueles dias, tais como: Ashtarot e Baal na Fenícia; Ishtar ou Inanna na Assíria; Isis e Osiris no Egito; Afrodite e Eros na Grécia; Vênus ou Fortuna e Cupido ou Júpiter em Roma. Mas em outros povos também havia esse conceito religioso místico, como entre os chineses, os antigos germanos, os escandinavos, os etruscos, os druidas e na Índia. Foram erigidos monumentos em homenagem a deusa-mãe Semíramis com seu filho Tamuz nos braços. Entre os israelitas um dos títulos a deusa mãe era Astarote ou Astarte e rainha dos céus que até eles adoravam (cf. Jer. 7:18; 44:17-19 e 25 e Ezeq. 8:14).
No cristianismo católico, a Rainha Mãe veio a ser Maria, mãe de JESUS, esse em lugar de Tamuz. Foi no tempo de Constantino que começaram a ver Maria como deusa, mas ainda não era adorada. Tal como na antiga Babilônia, Maria, também venerada como Rainha dos Céus, passou a ser adorada mais intensamente que o próprio JESUS. Ela é adorada como a mãe de JESUS, como foi Semiramis na antiguidade. Hislop explica que “A Nossa Senhora de Roma… é simplesmente a Nossa Senhora da Babilônia. A Rainha dos Céus na primeira Babilônia é a mesma Rainha dos Céus na última Babilônia, a atual.
Baseado em parte no livro: The Two Babylons (As Duas Babilônias), de Alexander Hislop, 1917.
………………………………………………………………………………………………………..

A Deusa Mãe ao Longo da História

(Atos 19:34-35) – Mas quando conheceram que era judeu, todos unanimemente levantaram a voz, clamando por espaço de quase duas horas: Grande é a Diana dos Éfésios. Então o escrivão da cidade, tendo apaziguado a multidão, disse: Homens efésios, qual é o homem que não sabe que a cidade dos Éfésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu de Júpiter?
deusa-mae
A deusa mãe: Perceba o símbolo do deus-sol atrás de todas as imagens (o círculo), símbolo do ocultismo.

O livro clássico do Reverendo Alexander Hislop, The Two Babylons [As Duas Babilônias], e o Livro A Virgem Maria: Está Morta ou Viva de Danny Vierra são as bases de nosso estudo.
O profeta Isaías 700 anos antes de Cristo já declarou que o FILHO DE DEUS nasceria de uma virgem, ou uma mulher jovem como diz o original em hebraico (Isaias 7:14). Satanás, ou Lúcifer, o Anjo Caído, de alguma maneira já sabia dos planos de Deus de enviar o messias através de uma virgem. Para tanto resolveu criar uma deusa que tenha tido um filho com o objetivo de derrotar o evangelho de Deus.
Dados históricos comparados com a Bíblia mostram que depois do dilúvio de Noé, os sobreviventes se multiplicaram e edificaram a cidade da Babilônia. Lá nesta cidade havia um virgem lindíssima cujo nome era SEMÍRAMIS.
SEMÍRAMIS se tornou a Rainha da Babilônia e casou-se com NINRODE. Historicamente ele foi chamado de:” MARIDO DE SUA MÃE”. Satanás usou a ambos para criar uma seita diabólica tão poderosa que espalhou-se pelo mundo inteiro e multidões visaram a SEMÍRAMIS como sua Mãe-protetora.
Foram SEMÍRAMIS e NINRODE que inventaram o confessionário e o celibato.
NINRODE foi chamado por muitos de MOLOQUE: pessoas doavam seus filhos bebês para serem sacrificados em honra a ele. Quando NINRODE foi morto, o povo lamentou. SEMÍRAMIS agiu bem depressa para tomar vantagens da situação, engravidou e deu a luz a um outro filho e o proclamou que ele era a reencarnação de NINRODE. O filho foi chamado de TAMÚZ, ele se tornou o deus do sol. Também se tornou conhecido como BAAL.
SEMÍRAMIS foi transformada em uma deusa tal como BAALTI (A MADONA), RAINHA DO CÉU, A MEDIATRIZ, A MÃE DA HUMANIDADE, ASTARTE, etc. Com o passar dos tempos, monumentos a esta deusa e seu filho apareceram em muitas nações…quando o povo da Babilônia foram espalhados pelas várias partes da terra, levou com ele a adoração da divina mãe e filho.

Assim satanás conseguiu estabelecer a sua religião mortífera bem antes que Jesus nascesse.
No Egito a Mãe se chamava Osís e o Filho Orus.
Em Roma era Vênus e Jupiter.
Em Israel era Astarote e Baal.
Vejamos quadro abaixo:
deusa-mae2
1) Ankh Nes Meryre e filho Pepi. 2) Cyprus. 3) Madonna Guanyin, deusa da misericórdia 4) Matrika de Tanesara da India 5) Yasoda e Krishna. 6) Mãe e Filho 2000-1850 B.C. 7) Mexico, Jalisco 200 B.C.- 500 A.D. 8) Maya. 9) Mexico, Colima 200 B.C.- 500A.D. 10) Mykene, Grécia 11) deusa Sun , Arinna. 12) Virgem Maria (esta não é e virgem Maria da Bíblia)
O livro clássico do Reverendo Alexander Hislop, The Two Babylons [As Duas Babilônias], escrito em 1917 afirma que foi Sem que montou um exército e matou Ninrode (Moloque). Para garantir que os povos daquele tempo compreendessem perfeitamente a totalidade da derrota de Ninrode nas mãos do defensor de Deus, Sem desmembrou o corpo de Ninrode e enviou as partes às muitas cidades do império, para servir de advertência sobre o que aconteceria a quem se atrevesse a seguir as crenças de Ninrode.
No entanto, os aderentes de Ninrode eram muitos e estavam determinados a continuar com as práticas idólatras de seu falecido líder. Assim, seus seguidores fundaram as primeiras Sociedades Secretas com o objetivo de preservar suas doutrinas e objetivos. Estas sociedades seriam protegidas por juramentos sérios e confissões. As confissões dos iniciados eram críticas, pois uma vez que uma pessoa revelava seus erros para outra pessoa, era mantida por medo de exposição, caso deixasse a sociedade. Essa provavelmente é a razão porque Jesus Cristo disse que nada deve ser feito em segredo, e que seus seguidores não devem fazer juramentos.
Naturalmente satanás pré-criou a Deusa Mãe e depois desvirtuou a história da verdadeira Maria a divinizando, a transformando numa “Nossa Senhora”.
1. Bíblia condena a idéia de uma Rainha do Céu (Astarte, Semirâmis)
Jeremias 7:18 Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres preparam a massa, para fazerem bolos à rainha dos céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira.
2. Os seguidores de Javé usavam o argumento de que possuiam prosperidade material ao seguí-la.
Jeremias 44:17 Mas certamente cumpriremos toda a palavra que saiu da nossa boca, queimando incenso à rainha dos céus, e oferecendo-lhe libações, como nós e nossos pais, nossos reis e nossos príncipes, temos feito, nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém; e então tínhamos fartura de pão, e andávamos alegres, e não víamos mal algum.
Jeremias 44:18 Mas desde que cessamos de queimar incenso à rainha dos céus, e de lhe oferecer libações, tivemos falta de tudo, e fomos consumidos pela espada e pela fome.
Curiosamente, no final dos tempos quem não seguir a religião universal ou Babilônica, símbolo do catolicismo e protestantismo corrupto não poderá comprar e nem vender (Apoc 13:11-17). Veja A Profecia das Nações para entender melhor.
Fonte: Adventismo em Foco

VEJA O QUE OS JUDEOS PENSAM DA RELIGIÃO CRISTÃ E TIRE AS SUAS CONCLUSÕES...

“NOVO TESTAMENTO” UM TRATADO ROMANO DE MENTIRAS

Por Yossef Davah Ben Yisrael

A aproximadamente dois mil e dez anos nasci um homem que desde a infância é fascinado pelas Leis do Eterno e pela historia do seu povo que lhes eram ensinadas pelos seus pais, seu nome? Yeshua, um nome por sinal bastante comum entre os yisraelitas daquela época, ele cresceu e pregou essas Leis ao seu povo assumindo uma postura de Navi (profeta), muitos admiravam suas palavras outros porem as odiavam, pois elas revelavam o estado deplorável de afastamento em que o povo de Yisrael se encontrava totalmente amigado com Roma, coisa que o Eterno condenou. Yeshua morreu por amor a Torá, por não rejeitá-la e deixou saudades aos seus seguidores. Sua historia foi narrada pelos seus discípulos e passada nos Ketuvim (escritos), porem Roma transforma a bela historia desse homem no maior engano de todos os tempos, muito maior do que se pensa, foi ela, a igreja católica, quem adulterou os Ketuvim, transformando Yeshua em uma deidade, em um símbolo pagão de idolatria. É isso que veremos através desse pequeno compêndio histórico.
Desejo que a mão de Elohim nos conduza às nossas verdadeiras raízes, nos tornando assim verdadeiros Avrahamitas.


1. O que os yisraelitas da época pensavam de Yeshua?

Mateus 16, 13-14: “Tendo chegado à região de Cesaréia de Filipe, Yeshua perguntou aos discípulos: Quem dizem por ai as pessoas que é o filho do homem?” Responderam: “Umas dizem que é Yochanan Batista, outras que é Eliahu, outras enfim, que é Yemiahu ou alguns dos profetas”.
Mateus 26, 67-68: “Então, cuspiram no seu rosto e cobriram-no de socos. Outros lhe davam bordoadas. E lhe diziam: "Mostra que és profeta, ó Mashiach, advinha quem foi que te bateu? "
João 4:19: "Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta."
João 7, 40-41: “Muitos daquela gente que tinham ouvido essas palavras de Yeshua afirmavam: "Verdadeiramente ele é o profeta”.
João 9, 17: “Perguntaram ainda ao cego: "Qual é a tua opinião a respeito de quem abriu os olhos?" Respondeu: "É um profeta".

2. Como os discípulos viam Yeshua?

Lucas 24, 19 “Yeshua de Nazaré foi um profeta, poderoso em obras e palavras diante de Elohim e do povo".
Atos 2, 22: “Homens de Israel, escutai o que digo: "Yeshua de Nazaré foi o homem credenciado por Elohim junto a nós com poderes extraordinários, milagres e prodígios. Bem sabeis as coisas que Elohim realizou através dele no meio de vós. "


3. Como Yeshua se intitulava?

Lucas 13, 33: “Entretanto devo continuar meu caminho hoje, amanhã e no dia seguinte, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém".
João 8, 40: “Procurais tirar-me a vida a mim que sou homem, que vos digo a verdade que de Elohim ouvi".
Marcos 6, 4-5: “Mas Yeshua lhes dizia:" Um profeta só deixa de ser honrado em sua pátria, em sua casa e entre seus parentes. “E não podia ali fazer milagre algum”. (Argumento que utilizou para justificar porque Ele não conseguia fazer milagres em Nazaré).

Observamos, assim, que o povo e os seus discípulos acreditavam que Yeshua era um profeta, e o próprio Yeshua confirmava isso.

João 4, 34: “Yeshua afirmou: "Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou a levar a cabo a sua obra".
João 5, 19: “Eu vos afirmo e esta é a verdade: o Filho nada pode fazer por si mesmo, a não ser o que vê o Pai fazer".
João 5, 30: “Não posso fazer nada por mim mesmo. Julgo segundo o que ouço; e o meu julgamento é justo, porque não procuro a minha vontade, mas a vontade daquele que me
enviou". (a Torá)


Foi, em 325, no concilio de Nicéia. Que Yeshua e declarado pela primeira vez deus, isso para introduzir o dogma da Santíssima Trindade nos Ketuvim. Veja de onde a igreja católica mãe do cristianismo copiou essa malignidade pagã. Achamos muito interessante o estudo do Dr. Paul Gibier (O Espiritismo – o faquirismo ocidental) em que ele coloca: “Uma das analogias mais notáveis do catolicismo, não com o Budismo, mas com Bramanismo, encontra-se em uma das encarnações de Vischnu (filho de Deus) sob a forma de Krischna. Krischna, que alguns autores escreviam Christna ou Kristna, foi concebido “sem pecado”, seu nascimento foi anunciado por profecias numerosas e muito antigas. Sua mãe Devanaguy, o concebeu por obra de um Espírito, que lhe apareceu sob os traços de Vischnu, segunda pessoa da trindade Hindu. Segundo a tradição Hindu e o “Bhagavedagita”, anunciando uma profecia que ele destronaria seu tio, o tirano de Madura, este último mandou encarcerar sua sobrinha Devanaguy, que foi libertada por Vischnu; então o tirano mandou assassinar em todos os seus estados as crianças do sexo masculino nascidas na mesma noite em que Krischna viu a luz (grifo do original). Mas o menino foi salvo por milagre, e, 3500 anos mais ou menos antes de nossa era, ele pregava a sua doutrina. Depois de converter os homens, morreu de morte violenta as margens do Ganges, segundo ordens de Brahma (Deus, o Pai), para realizar a redenção dos homens, como lhes fora prometido.” Parece que tudo se encaixa na tradição cristã a respeito de Yeshua.

Bibliografia:

Novo Testamento, LEB – Edições Loyola, São Paulo, SP, 1984.
O Espiritismo (o faquirismo ocidental), Dr. Paul Gibier, FEB, Brasília, DF, 4ª Edição, 1990.


4. Quando começou a adulteração?

A admissão exclusiva dos quatro Evangelhos hoje aceitos se deu no século IV, no ano de 325 d.C., por ocasião do Concílio de Nicéia e depois referenciado em 363 d.C., no de Laodicéia, como nos é contado por Hollbach, no prólogo de sua ”História Crítica de Jesus Cristo”.

Concílio de Cartago

O Concílio de Cartago III foi um concílio regional que ocorreu em 397 d.C., onde ficou determinado a aceitação dos vinte e sete livros do “Novo Testamento”.
O Concílio de Cartago IV, outro concílio regional ocorrido em 419 d.C, estabelece o mesmo cânon bíblico reconhecido futuramente no Concílio de Trento, hoje aplicado pela Igreja Católica Apostólica Romana, com referência a dois livros de Esdras, que seriam os mesmos da Vulgata, os quais existiam outrora reunidos e já tinham sido divididos até aquela época, conforme o testemunho de Santo Atanásio (296-373), na Epístola XXXIX,4.

O concílio de Cartago IV descreve:

"Parece-nos bom que, fora das Escrituras canônicas, nada deva ser lido na Igreja sob o nome 'Divinas Escrituras'. E as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênese, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, quatro livros dos Reinos, dois livros dos Paralipômenos, Jó, Saltério de Davi, cinco livros de Salomão, doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel, Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, dois livros de Esdras e dois [livros] dos Macabeus. E do Novo Testamento: quatro livros dos Evangelhos, um [livro de] Atos dos Apóstolos, treze epístolas de Paulo, uma do mesmo aos Hebreus, duas de Pedro, três de João, uma de Tiago, uma de Judas e o Apocalipse de João. Isto se fará saber também ao nosso santo irmão e sacerdote, Bonifácio, bispo da cidade de Roma, ou a outros bispos daquela região, para que este cânon seja confirmado, pois foi isto que recebemos dos Padres como lícito para ler na Igreja" [Concílio de Cartago IV (419)].


Veja abaixo algumas das trindades mais conhecidas e adoradas pela humanidade através dos tempos:

ÍNDIA - BRAHMA, VISHNU e SHIVA.
EGITO - OSÍRIS, ÍSIS e HÓROS.
CHINA - BRAHMA, SHIVA e BUDA.
PÉRSIA - OZMUD, ARIHMAN e MITRA.
GERMÂNIA - VOTAM, FRIGA e DINAR.
GRÉCIA - ZEUS, DEMÉTER e DIONISIUS.
CANAAM - BAAL, ASTARTÈ e ADONIS.
UMBANDA - IAMBY (ZAMBY), YEMANJÁ e ORIXALÁ (ou OXALÁ).
BABILÔNIA - EA, ISTAR e TAMUZ.
CELTAS -VOLTAN, FRIGA e DINAS.
ROMANA CRISTÃ - PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO



O CREDO DE ATANÁSIO

É no Credo ou Símbolo de Atanásio que se define finalmente a Trindade. Conforme deve lembrar-se, Atanásio foi o jovem arcediago que se destacou em apoiar os conceitos apresentados no Credo de Nicéia. Foi também ele quem compôs este credo que leva seu nome? Foi isto o que se acreditou por séculos, mas, por fim, provou-se definitivamente que não é verdade.
The Faith of Christendom observa, na página 61: “A atribuição do Credo a Atanásio foi exposta no século dezessete pelo erudito holandês G. J. Voss. Argumentou-se, à base de evidência interna, que o documento pode datar do período entre 381 e 428 A. D.” No entanto, não existe nenhuma evidência certa para uma data tão antiga para o credo. De fato, até centenas de anos depois, não existe nenhuma referência a ele na forma completa! John J. Moment, no seu livro sobre os credos, declara por isso decididamente: “Atanásio já estava morto por quinhentos anos quando apareceu.” (We Believe, página 118)

Veja como o Credo Atanasiano define a Trindade:
“. . . que adoremos um só Deus em Trindade e a Trindade na Unidade, nem confundindo as Pessoas, nem separando a Substância. Na verdade, uma é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo; mas uma só é a Divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo; igual a glória, coeterna a majestade. Qual é o Pai, tal o Filho, tal o Espírito Santo. Incriado é o Pai, incriado o Filho, incriado o Espírito Santo. Imenso é o Pai, imenso o Filho, imenso o Espírito Santo. Eterno é o Pai, eterno o Filho, eterno o Espírito Santo. E, no entanto, não (há) três eternos, mas um só Eterno; assim como não (há) três incriados, nem três imensos, mas um só incriado e um só imenso. Igualmente onipotente é o Pai, onipotente o Filho, onipotente o Espírito Santo; e, no entanto, não (há) três onipotentes, mas um só é o Onipotente. Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus; e, no entanto, não são três deuses, mas Deus é um só. Assim, o Pai é Senhor, o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor; e, no entanto, não são três senhores, mas um só é o Senhor. Pelo que, assim como somos obrigados, na verdade cristã, a confessar cada uma Pessoa, singularmente, como Deus e Senhor, assim nos é proibido, pela religião católica, dizer três Deuses ou três Senhores. O Pai por ninguém foi feito, nem criado, nem gerado. O Filho só pelo Pai foi: não feito, nem criado, mas gerado. O Espírito Santo, pelo Pai e pelo Filho: não foi feito, nem criado, nem gerado, mas deles procede. Um só, portanto, é o Pai; não três Pais; um só, o Filho; não três Filhos; um só, o Espírito Santo; não três Espíritos Santos. E nesta Trindade nada é primeiro ou posterior; nada maior ou menor; mas todas as três Pessoas são a si coeternas e coiguais. Portanto, por tudo, assim como acima já foi dito, deve ser adorada a Unidade na Trindade e a Trindade na Unidade. Portanto, quem quiser se salvar, assim sinta (pense) da Trindade. . . .”

Portanto, a doutrina da Trindade foi finalmente formulada a muitas centenas de anos após a morte de Yeshua Há-Mashiach. Nas palavras do teólogo N. Leroy Norquist, os homens “experimentaram palavras, afiaram frases, até que definiram a relação das três ‘pessoas’ da Trindade de tal modo, que finalmente podiam dizer: ‘A menos que creia nisso, não é um verdadeiro crente. ’” Assim se formulou, portanto, o conceito sobre deus adotado agora na maioria das igrejas. Os credos, conforme aparecem neste artigo são citados da Exposição da Doutrina Católica, por Cyro Nunes Ferreira, 1ª edição, Edições Paulinas.


6. Vamos analisar alguns textos da Torá e do próprio Ketuvim:

(Êxodo 20 : 3
Deuteronômio 5 : 7
Deuteronômio 6 : 4
Deuteronômio 6 : 14
Deuteronômio 8 : 19
Deuteronômio 11 : 16
Isaías 44 : 6
Marcos 12:28-29
Tiago 2:19
João 4:23-24
Efésios 4:6
João 20:1
I Timóteo 6 : 16
I Timóteo 1 : 17
Judas 1 : 25)

Observe que o Shemá declara que Yá é o ÚNICO Elohim.

7. Conclusão


Os Ketuvim nunca foram utilizados como livros de fé pelo povo de Yisrael e nem deve ser usado por nós, descendentes de Yisrael, principalmente depois que a igreja católica deturpou suas palavras. observe o que Shaul (Paulo) declara:

ATOS 24 - Mas confesso-te isto que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Elohim de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na Torá e nos profetas.


Que a Shalom de Elohim seja derramada sobre vós!

A origem da trindade cristã!

A origem da trindade cristã!
Dos principais deuses adorados pelos egípcios, podemos destacar a trindade Egípcia composta de Osíris, Ísis, Horus, mostrada acima. Na qual três pessoas formavam um único deus composto, e que Osíris é deus, Isis é deus e Horus é deus. Essa foi à mãe de todas as trindades, (e ao mesmo tempo, uma adaptação da trindade deus supremo de babel = Ninrode - Semíramis - Tamuz) que vieram a se espalhar pelo mundo. A igreja católica tomou esse conceito pagão de idolatria e inseriu em seu rito cristão no ano de 323 depois da era comum. Esse conceito é totalmente contrario ao Eterno, que se revela como o ÚNICO. (Deuteronômio 6:4 – Ouve, Israel, o Eterno nosso Elohim é o único Adonay.)
 


Loading...

A verdade nua e crua!!!


Mesmo que você esteja em uma minoria de um a verdade continua sendo verdade ainda que esta seja esmagada contra a parede permanecerá imutável.

A Verdade Liberta !!! averdadeliberta777.blogspot.com

"Se as pessoas apenas entendessem a tamanha injustiça de nosso Dinheiro e Sistema Bancário, aconteceria uma revolução antes do amanhecer." - Andrew Jackson

Pesquisar este blog

Seja um de nossos seguidores!!!

Arquivo do blog

Minha foto
Ibaté, São Paulo, Brazil
Eu sou cristão protestante da Igreja Presbiteriana Independente de Ibaté, cidade onde cresci e vivo atualmente... Não me considero um religioso, penso que só a religião em si não tem o poder de salvar a alma de ninguém nem transformar uma pessoa corrompida em um cidadão de bem... A religião nada mais é do que uma das instituições que em conjunto formam a sociedade.Assim como a família, a escola, o club,etc... Nada mais servem do que para nos moldar conforme o padrão que a sociedade requer, para que assim possamos viver de forma ''civilizada''... Uma escravidão a qual somos submetidos ao fazer parte da sociedade pois esta é englobada em um sistema rígido, manipulador e opressor... Não sou perfeito como nínguém é, mas apenas tento dar a minha colaboração a essa pobre gente como eu,(a grande massa), que já está tanto cansada de lutar e enfrentar tantas mentiras... Sou apenas mais um louco idealista neste mundo capitalista.