domingo, 27 de junho de 2010

Religião ou fanatismo?



Ernesto Arosio
Em Kanungu, Uganda, membros de um grupo religioso suicidaram-se, num dos mais chocantes exemplos de paranóia coletiva dos últimos tempos. Diante de fatos como esse, as perguntas surgem com inquietação: pode uma religião levar alguém a se destruir em nome de Deus?
Existe uma incerteza sobre o número das vítimas, mas este é, sem dúvida alguma, o segundo maior homicídio-suicídio em massa da história, após a fatídica morte, em 1978, de 914 membros do Templo do Povo, na Guiana, seguidores do pastor Jim Jones, obrigados a se suicidar. Naquela ocasião, quem se recusou a tomar o veneno, foi morto a tiros. Por esse motivo, usamos aqui a expressão homicídio-suicídio, porque nunca saberemos se todas as pessoas mortas nesses rituais imolaram-se ou foram mortas contra sua vontade. A mídia diz que, em Uganda, havia mais de 500 corpos, entre os quais, 78 de crianças, todos carbonizados na sexta- feira, 17 de março, numa capela da seita.
Essa seita, com seu macabro ritual de morte, enquadra-se no clássico esquema das seitas apocalípticas. O líder Joseph Kibwetere, fundador do Movimento para a Restauração dos Dez Mandamentos, aconselhado, conforme notícias, por alguns sacerdotes e freiras católicos excomungados, conseguiu convencer muitas pessoas de que o fim do mundo seria no final de 1999. Como todos os falsos videntes e profetas, ele se enganou, mas ainda conseguiu reunir seus adeptos na igreja, naquela sexta-feira, após terem vendido seus bens e se despedido dos parentes. Trancados na capela, com as portas pregadas, após horas de cantos, eles deixaram-se queimar ou foram queimados.
Os detalhes desse suicídio-homicídio em massa têm importância relativa porque todos esses fatos trágicos seguem um esquema de irracionalidade quase idêntico a todos os que já aconteceram nesses últimos anos. O culto ao líder e o fanatismo dos adeptos levou-os a aceitar esse ritual de morte, mas importante é descobrir quais são as causas que fazem proliferar essas seitas e por que elas conseguem levar seus seguidores a atos tão extremados.
No livro "2000, catástrofe e esperança" (1998), eu já tinha previsto que esses fatos se repetiriam nesse fim do milênio e é o que está acontecendo. A questão é que a mídia não divulga tudo o que acontece e, aos olhos de um observador desatento, pode parecer que tais suicídios sejam raros. Todavia, por serem de menores proporções, ficarão desconhecidos do público, o que nada lhes tira de seu sentido trágico.
Trágicos testemunhos
Lembrando fatos marcantes na história das seitas, citamos os suicídios que ocorreram na década de 90: em dezembro de 1991, no México, 30 pessoas beberam álcool industrial durante o ritual do rev. Ramon Morales; em março de 1993, a seita do Ramo Davidiano do líder David Koresh nos Estados Unidos resistiu a um cerco da polícia, por 51 dias, e depois, num incêndio, provocado ainda não se sabe por quem, morreram 70 pessoas; em outubro de 1994, 56 seguidores da Ordem do Templo Solar suicidaram-se ou foram mortos, em ritual, em Cheiry, Suíça, e no Quebec, Canadá; outros, da mesma seita, fizeram o mesmo na França, em dezembro de 1995; em 27 de abril de 1997, na passagem do cometa Halley, na Califórnia, 39 pessoas da seita Porta do Paraíso, cujo líder era Marshall Applewite, que queriam se reencontrar na cauda do cometa, buscando um mundo melhor, decidiram-se pela morte. Por todo o mundo e também no Brasil, vez ou outra, aparecem mortes ligadas a cultos satânicos ou casos de estupro ritual de crianças e adolescentes.
Seitas, mal desse fim de século
Quantas são essas seitas? Em que acreditam? Por que os adeptos são fiéis até o suicídio? Algumas são muito conhecidas, bem freqüentadas e ricas, como os mórmons, as testemunhas de Jeová e os adventistas do sétimo dia, cujo conteúdo doutrinal está baseado no retorno de Cristo à terra, na promessa de felicidade no céu ou no mundo, purificado do mal, durante a segunda vinda do Messias. Famosas são as profecias dos líderes desses movimentos que marcaram e remarcaram várias vezes a data dessa vinda.
As seitas estão espalhadas pelo mundo inteiro, até mesmo em países não cristãos, todavia, sabe-se que seus líderes, de alguma forma, tiveram contato com o cristianismo, como é o caso da seita japonesa Aun Shinrikyo, que incorporou à sua doutrina as profecias de Nostradamus. Para as seitas apocalípticas, isto é, aquelas que pregam que o fim do mundo acontecerá com cataclismas e provações (escritas, segundo elas, nos evangelhos), após essas terríveis tribulações, estariam garantidos a seus seguidores, que nada sofreriam, a felicidade e o gozo totais.
Na América do Norte, caracterizada por seu espírito prático, uma seita promete aos adeptos que eles serão arrebatados, em massa, para o céu, antes que aconteçam essas tribulações, interpretando, ao pé da letra, o capítulo 4 da Carta de são Paulo aos Tessalonicenses: "nós, os vivos na ocasião da vinda do Senhor, seremos arrebatados juntamente com Ele (e os ressuscitados), ao seu encontro no ares e assim estaremos para sempre com o Senhor".
Neste final de século, porém, estão surgindo seitas não apocalípticas, mais abertas, sem segredos iniciáticos e que conseguem numerosos adeptos e admiradores; outras, secretas como as satânicas, são freqüentadas por poucos. Ainda existem as seitas mágicas, ligadas à New Age, que querem voltar a um modo de viver primitivo, ligado à natureza, aos ídolos, às divindades e aos rituais pagãos.
É difícil estimar os números exatos dessas seitas. Na católica Itália, conforme as pesquisas do Grupo de Busca e Informação sobre as Seitas (Gris), existiriam mais de 400 grupos, entre evangélicos, satânicos, espíritas, mágicos, ufólogos, de orientação hindu ou budista, esotéricos e outros, totalizando cerca de um milhão de adeptos e simpatizantes.
Na Inglaterra, haveria 200 mil seguidores e simpatizantes dos movimentos neo-pagãos que, durante seus encontros, muitas vezes entram em choque com a polícia, devido à prática do naturalismo (nudez e outras cerimônias), em desobediência ao código civil. Por estimativa, juntando informações de vários países, podemos estimar que, pelo mundo afora, seriam mais de 500 milhões de adeptos, dos quais, mais de 35 milhões no Brasil.
Procurando razões
Numa rápida análise das seitas em geral, podemos concluir que há vários fatores que impelem as pessoas a procurar esses grupos. Para muitos em busca de algo que proporcione felicidade e segurança emocional, as seitas fazem com que se sintam protegidos e quanto mais forte a personalidade de seus líderes, maior a segurança experimentada. Além disso, a sugestão das cerimônias desperta um intenso apelo emocional que forma o pathos convidativo das seitas, capaz de convencer e envolver as pessoas que buscam essas emoções.
Sem querer julgar psicologicamente os adeptos, que podem ter motivos pessoais válidos para escolher uma ou outra seita, geralmente, nota-se que, em muitos deles, existem tendências à incerteza ou ao medo, fazendo com que busquem, fora de si, algo que lhes garanta segurança e felicidade. Por isso, entregam-se total e cegamente às promessas dos líderes ou gurus. Quanto a estes, especialmente os milenaristas, apocalípticos e satânicos, são - fundamentalmente - pessoas fanáticas, embora demonstrem uma personalidade forte, segura e atraente, com um discurso capaz de convencer quem procura, com certa angústia e vazio interior, uma experiência religiosa diferente da oferecida pelas religiões tradicionais. Consciente ou inconscientemente, tais líderes são verdadeiros manipuladores do psiquismo de seus seguidores, podendo até ser perigosos para a sociedade civil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...

A verdade nua e crua!!!


Mesmo que você esteja em uma minoria de um a verdade continua sendo verdade ainda que esta seja esmagada contra a parede permanecerá imutável.

A Verdade Liberta !!! averdadeliberta777.blogspot.com

"Se as pessoas apenas entendessem a tamanha injustiça de nosso Dinheiro e Sistema Bancário, aconteceria uma revolução antes do amanhecer." - Andrew Jackson

Pesquisar este blog

Seja um de nossos seguidores!!!

Arquivo do blog

Minha foto
Ibaté, São Paulo, Brazil
Eu sou cristão protestante da Igreja Presbiteriana Independente de Ibaté, cidade onde cresci e vivo atualmente... Não me considero um religioso, penso que só a religião em si não tem o poder de salvar a alma de ninguém nem transformar uma pessoa corrompida em um cidadão de bem... A religião nada mais é do que uma das instituições que em conjunto formam a sociedade.Assim como a família, a escola, o club,etc... Nada mais servem do que para nos moldar conforme o padrão que a sociedade requer, para que assim possamos viver de forma ''civilizada''... Uma escravidão a qual somos submetidos ao fazer parte da sociedade pois esta é englobada em um sistema rígido, manipulador e opressor... Não sou perfeito como nínguém é, mas apenas tento dar a minha colaboração a essa pobre gente como eu,(a grande massa), que já está tanto cansada de lutar e enfrentar tantas mentiras... Sou apenas mais um louco idealista neste mundo capitalista.