sábado, 26 de junho de 2010

Afinal, quem é que educa quem?

TV calvin5 Afinal, quem é que educa quem?
O mundo que vivemos hoje é bem diferente do mundo que eu vivia quando era criança. Este, certamente é bem diferente da época da infância de meus pais, quem dirá dos meus avós… Aprendemos as coisas mais cedo, mais precocemente… mas, nesse mundo onde parece que até o tempo está passando mais rápido, também deixamos de aprender coisas importantes, nos momentos certos de serem aprendidas. E as “razões” no mundo moderno são basicamente duas: cultura do medo e banalização da educação. Os fatores restantes são efeitos derivados das duas causas citadas.
Um amigo meu fez um comentário num post anterior sobre a educação no Brasil, e nele pergunta:
E a falta de incentivo está onde?
Na estrutura da escola?
No pagamento e qualificação de professores e mestres?
Na educação familiar?
Na postura propagandista social via televisão?
Ou na cultura de gado que o Brasil vive?
Digo que resposta está em tudo isso que ele próprio colocou. Isso porque todas as opções acima comtemplam os interesses de uma super elite internacional.
As pessoas precisam compreender que existe um grupo que tira proveito de toda essa situação e que, através dessa manipulação a nível mundial, está direcionando a evolução do ser humano moderno para o lado que eles querem.
O ponto é que o lado que estamos, não é o lado deles.
Não acredita? Vejamos as Diretrizes Internacionais para a Educação Sexual que a UNESCO, organismo da ONU voltada à educação, está distribuindo em todos os países para que sejam adotadas:
A página principal sobre a publicação diz que:
“In summary, the draft International Guidelines respond to the challenge of giving children and young people access to the knowledge and skills they need in their personal, social and sexual lives.”
Ou em português: “em resumo, as diretrizes internacionais respondem ao desafio da oferecer as crianças e jovens, acesso ao conhecimento e habilidades que precisarão em suas vidas pessoal, social e sexual.”
Mas, o que ela realmente faz através de suas 98 páginas é:
De acordo com o documento, que separa as crianças em 4 grupos: 5 a 8 anos; 9 a 12 anos; 12 a 15 anos e; 15 a 18 anos, às crianças de 5 anos devem ser ensinadas que tocar ou excitar seus órgãos genitais é chamado de masturbação, e que você pode sentir prazer ao tocar seus órgãos genitais.
Quando elas estiverem com 9 anos, seriam ensinadas dos aspectos positivos e negativos dos afrodisíacos, e a combater a transfobia, homofobia e abuso de poder.

Aos 12, aprenderiam as razões para o aborto. Aos 15, seriam expostas ao direito de abortar seguramente.
O argumento da ONU para esse absurdo é que em um mundo afetado pela AIDS, “há um imperativo em dar às crianças e jovens adolescentes o conhecimento, habilidades e valores para entender e fazer decisões conscientes”.
Uma breve síntese das novas orientações:
  • Os pais da crianças não devem ter voto na educação sexual dos seus filhos;
  • As crianças a partir dos 5 anos devem aprender como um adulto se masturba;
  • As escolas devem ensinar às crianças, a partir dos 5 anos de idade, que a estrutura da família é apenas um aglomerado de pessoas, independentemente de quaisquer laços consanguíneos;
  • As crianças devem ser doutrinadas no sentido assimilarem a ideia de que as pessoas não escolhem a sua “identidade de género”;
  • As crianças devem aprender que é normal ter dois pais e duas mães, ou mesmo mais que dois pais ― por exemplo: cinco pais, quatro mães, e uma criança vivendo na mesma casa é absolutamente normal e constituem uma família;
  • As adolescentes a partir dos 13 anos têm direito absoluto ao aborto a pedido, sem autorização ou conhecimento dos pais.
Gente, eu não sou nenhum aficcionado religioso ou um cavaleiro defensor dos bons costumes, mas tenho uma filha. E ainda assim, mesmo que não a tivesse, continuaria a achar essas recomendações um absurso.
Mas vocês não acham que essas são as diretrizes que os filhos deles seguem, ou acham?
Em uma total distorção mental, os autores propõem, portanto, tomar para si o papel dos pais, e de uma forma perigosa. Para citar o co-autor Nanette Ecker: “Nós(…) precisamos começar a educação sexual o mais cedo possível, como o ensino para crianças de 5 a 8 anos da terminologia correta sobre seus corpos e como eles funcionam para que eles tenham a linguagem para fazer perguntas ou reportar comportamento abusivo ou violência sexual. “
A Organização Mundial de Saúde compartilha a mesma visão. No apêndice da who pandemic level 5 swine flu alert world health organizationpubicação acima pode ser lido: “A Organização Mundial da Saúde (OMS) conclui que é fundamental que a educação sexual seja iniciada precocemente (…)”.
“As orientações internacionais”, dizem os autores, “terá relevância imediata para os ministros da educação e seus profissionais, incluindo desenvolvedores de currículo, diretores de escolas e professores. No entanto, qualquer pessoa envolvida na concepção, execução e avaliação da educação da sexualidade, dentro e fora da escola, irá achar este documento de grande utilidade.”
Não há mais dúvida que os globalistas, através da ONU, estão vindo atrás das crianças. Pessoas sem escrúpulos, que não se importam nem um pouco em desmoralizar a população global, nem envenená-las com alimentos transgênicos e trilhas químicas no ar. E nosso governo está participando de tudo isso e muito mais!
Tal como a matéria-base que usei para iniciar esse blog, há alguns anos atrás (2006) foi lançada uma cartilha do governo, o Carderno das Coisas Importantes dizendo que a masturbação é saudável. Até ai tudo bem? Nem tanto sob meu ponto de vista. Mas o que dizer de uma cartilha educacional que trata a ejaculação como “gozar”, ou que, num quiz sobre conhecimentos sobre a camisinha, informa que:
4. A maior camisinha do mundo…
a) foi feita sob medida para o ator pornô John
Holmes, cujo pênis media 38 centímetros.
É esse o conhecimento educativo???
Gozar ao invés de ejacular
Gozar ao invés de ejacular
“Assim você tem uma situação onde as crianças precisam ser ensinadas antes de sua adolescência, esta não é a maneira de fazer essa educação”, disse Colin Mason, representante da Population Research Institute, organização que combate o aborto, em entrevista ao “The New York Times”.
Será que eles querem realmente educar ou deseducar a população?
Para que as pessoas aceitem a Nova Ordem Mundial, suas atitudes e valores devem ser modificados.
E enquanto muitas das ações que a UNESCO promove pareçam boas e de valores íntegros, esse simplesmente não é o caso, uma vez que seus verdadeiros objetivos sejam conhecidos, que basicamente é: Se o objetivo é criar uma noval cultura global, deve-se primeiro destruir a antiga, promovendo a internacionalização (globalização) acima do Estado soberano. Deve-se destruir o conceito de família para que as pessoas busquem orientação no Estado. Em outro post falaremos mais sobre isso.
Nós todos ouvimos falar dos Direitos Humanos, mas que são exatamanete esses “direitos humanos”? Direitos concedidos pelo Estado, e que por ele podem ser retirados (alienáveis). Bem diferente dos direitos divinos que nos são dados ao nascermos.
Para concluir, meu amigo Ankh finalizou o comentário dele com muita sabedoria, dizendo que está cansado de ver nossos jovens pastarem.
Absolutamente verdade. Para aqueles que dominam o mundo, nós somos gado deles que para tudo serve, inclusive experiências e abate.
Abram os olhos e mãos a obra. É sobre nossas próximas gerações que estamos falando.
800px NikkoNoEvil4902 Afinal, quem é que educa quem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...

A verdade nua e crua!!!


Mesmo que você esteja em uma minoria de um a verdade continua sendo verdade ainda que esta seja esmagada contra a parede permanecerá imutável.

A Verdade Liberta !!! averdadeliberta777.blogspot.com

"Se as pessoas apenas entendessem a tamanha injustiça de nosso Dinheiro e Sistema Bancário, aconteceria uma revolução antes do amanhecer." - Andrew Jackson

Pesquisar este blog

Seja um de nossos seguidores!!!

Arquivo do blog

Minha foto
Ibaté, São Paulo, Brazil
Eu sou cristão protestante da Igreja Presbiteriana Independente de Ibaté, cidade onde cresci e vivo atualmente... Não me considero um religioso, penso que só a religião em si não tem o poder de salvar a alma de ninguém nem transformar uma pessoa corrompida em um cidadão de bem... A religião nada mais é do que uma das instituições que em conjunto formam a sociedade.Assim como a família, a escola, o club,etc... Nada mais servem do que para nos moldar conforme o padrão que a sociedade requer, para que assim possamos viver de forma ''civilizada''... Uma escravidão a qual somos submetidos ao fazer parte da sociedade pois esta é englobada em um sistema rígido, manipulador e opressor... Não sou perfeito como nínguém é, mas apenas tento dar a minha colaboração a essa pobre gente como eu,(a grande massa), que já está tanto cansada de lutar e enfrentar tantas mentiras... Sou apenas mais um louco idealista neste mundo capitalista.